Cinema:Por onde anda a sétima arte em Campo Grande, MS?

cine-1

12/12/2016

Thaís Pimenta / Jornal “O Estado

Graças aos avanços na fotografia, ocorridos no fim do século 19, foi que se tornou possível captar e exibir imagens em movimento. A primeira exibição dessas imagens foi feita na França, no dia 28 de dezembro de 1895, quando os irmãos Auguste e Louis Lumiére expõem 12 “filmes” curtos no Gran Café e, em 1910, a primeira sala de cinema é inaugurada, contando até com ar-condicionado, em Chicago.

cine-2Ao longo dos anos o cinema se aperfeiçoa e se torna uma das principais maneiras de entretenimento nas cidades. Com Campo Grande não foi diferente – a cidade chegou a contar com mais de cinco salas de cinema na década de 70, de acordo com pesquisas feitas pela jornalista Marinete Pinheiro no livro “Salas de Sonhos”. A principal era o Cine Alhambra, localizada na avenida Afonso Pena, se Wesley Ortiz Divulgação Prédio do Cine Acapulco, na rua Dom Aquino, no centro, tem a fachada quase irreconhecível pelo tempo e abandono Imagem recuperada mostra o prédio onde se exibiam as sessões o Alhambra seguidas por Rialto, Santa Helena, Acapulco e Cine Estrela.

“Aqui, nós tínhamos salas imensas. Ali na Afonso Pena, entre a Calógeras e a 14 [de Julho], existia o Cine Alhambra, que tinha capacidade para 1.800 pessoas. Tínhamos salas supergrandes porque o cinema era tido como uma das poucas opções de lazer. É muito curioso porque era uma cultura muito forte, inclusive, no interior do Estado, a gente vê histórias assim. Contam que, na Paixão de Cristo, era exibido o filme Paixão de Cristo, e algumas pessoas iam fantasiadas de anjo, por exemplo, outras pagavam promessa, vestidos de noivos. O cinema era uma realidade paralela, e isso é um fenômeno mundial, não só de Mato Grosso do Sul”, conta ela. Ainda dá para reparar em algumas fachadas em ruínas na cidade, como a do Cine Acapulco que, depois de já ter fechado foi visto em chamas no centro da Capital.

Na década de 1980, a sétima arte passa a ter outro caráter na cidade, tornando-se “dispensável” com a popularização da televisão. Algumas salas de cinema de rua resistem neste período, só que em quantidade bem menor, como os já fechados CineCultura e Cine Campo Grande, em 2010 e 2012 respectivamente.cine-3

cinemark

A internet entra na história e altera, mais uma vez, o papel do audiovisual no mundo e o cinema, que dava vida às ruas, passa por novas transformações. Atualmente, o campo-grandense não consegue mais assistir filmes se não estiver em um shopping. Todas as salas existentes são de grandes empresas, como o Cinemark, o Cinépolis e o UCI.

Dessa forma o “Cinema Arte” passa despercebido. “O CineCultura nasceu justamente da necessidade de um espaço em Campo Grande para exibição de filmes de arte. Com o fechamento dele, em 2010, os produtores do Estado precisam da ajuda dos cineclubes para poderem exibir seus filmes e documentários”, diz Marinete.

*Ver reportagem completa de Thaís Pimenta no Caderno Artes & Lazer do jornal O Estado de hoje (12/12/2016). www.oestadoonline.com.br

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s