Transoceânico/Ramal pode ser salvação para ferrovia no Estado de MS

sem-titulo

Bolívia luta para ser incluída no traçado e trecho pode chegar a MS

29/11/2016

Clodoaldo Silva / Correio do Estado

bioceanicaUm ano e meio depois de ser excluído do projeto da ferrovia transoceânica Atlântico-Pacífico, Mato Grosso do Sul volta a entrar na rota do ramal ferroviário – com extensão de cerca de 4 mil quilômetros – com o “ultimato” dado pelo Governo do Peru para que a Bolívia seja incluída no traçado. O projeto total prevê investimentos de US$ 50 bilhões e pode reduzir em até 80% o custo de transporte da produção sul-mato-grossense com destino à Ásia.

Com a proposta de alteração do traçado, autoridades estimam que isso permitirá o transporte de 10 milhões de toneladas de carga para 2021 e 24 milhões de toneladas até 2055. Só os bolivianos movem mais de 8 milhões de toneladas de carga entre importações e exportações ao ano. Um estudo da empresa Consultrans projeta que para 2021 esta nação andina mobilizará cerca de 15,3 milhões de toneladas de mercadoria

Os planos para construir a linha férrea bioceânica projetam começar no Porto de Santos, passar por Corumbá e entrar na Bolívia por Porto Suárez, seguir pelos municípios de Santa Cruz, Montero e Bulo Bulo até chegar ao altiplano de La Paz. Em solo peruano 1,6 mil km de ferrovia.

*Ver reportagem completa de Clodoaldo Silva na  edição de hoje (29/10/2016) do jornal Correio do Estado – http://www.correiodoestado.com.br

*****

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s